POR QUE NÃO SOU DIZIMISTA

                Os dízimos era um seguro de vida para os pobres e necessitados. Os dízimos no antigo testamento, era tirado de três em três anos, não era dinheiro e sim colhetas tiradas dos campos. Em Lv. 23.15-16 diz: Depois, para vós contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão. Até ao dia seguinte ao sétimo sábado, contareis cinqüenta dias; então, oferecereis nova oferta de manjares ao Senhor. Em Dt. 16. 9-10 diz: Sete semanas contarás; desde que a foice começar na ceara, começarás a contar as sete semanas. Depois, celebrarás a Festa das Semanas ao Senhor, teu Deus; o que deres será tributo voluntário da tua mão, segundo o Senhor, teu Deus, que tiver abençoado.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       

                 Em Ex. 23.16 diz: E a Festa da Sega dos primeiros frutos do teu trabalho, que houveres semeado no campo, e a Festa da Colheita à saída do ano, quando tiveres colhidos do campo o teu trabalho. E no verso 19 diz: As primícias, os primeiros frutos da tua terra, trarás à casa do Senhor, teu Deus; não cozerás o cabrito no leite de sua mãe.  Em Dt. 26.12-14 diz: Quando acabares de dizimar todos os dízimos da tua novidade, no ano terceiro, que é o ano dos dízimos, então, a darás ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, para que comam dentro das tuas portas e se fartam. E dirás perante o Senhor, teu Deus: Tirei o que é consagrado de minha casa e dei também ao levita, e ao estrangeiro, e ao órfão e à viúva, conforme todos os teus mandamentos que me tens ordenado; nada traspassei dos teus mandamentos, nem deles me esqueci. Disso não comi na minha tristeza e disso nada tirei para imundícia, nem disso dei para algum morto; obedeci à voz do Senhor, meu Deus; conforme tudo o que me ordenaste, tenho feito.

                 Os Dízimos eram tirados de três em três anos, conforme os versículos citados, não era dinheiro como os pastores fazem hoje. Os dízimos eram trazidos dos campos para a casa do tesouro. Os frutos das arvores e as sementes que eles colhiam e os primogênitos dos animais. Os dízimos eram distribuídos entre os Levitas, estrangeiros que viviam no meio do povo de Israel, os órfãos e as viúvas.

                 Em Dt. 14.22-29 diz: Certamente darás os dízimos de toda a novidade da tua semente, que cada ano se recolher do campo. E, perante o Senhor, teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu cereal, do teu mosto, do teu azeite e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor, teu Deus, todos os dias. E, quando o caminho te for tão comprido, que os não possas levar, por estar longe de ti o lugar que escolher o Senhor, teu Deus, para ali pôr o seu nome, quando o Senhor, teu Deus, te tiver abençoado, então, vende-os, e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o Senhor, teu Deus. E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante ao Senhor, teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa; porém não desampararás o levita que está dentro das tuas portas; pois não tem parte nem herança contigo. Ao fim de três anos, tirarás todos os dízimos da tua novidade no mesmo ano e os recolherás nas tuas portas. Então, virá o levita (pois nem parte nem herança têm contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, fartar-se-ão, para que o Senhor, teu Deus, te abençoe em toda a obra das tuas mãos, que fizeres.

                 Veja para quem eram os dízimos e onde era depositado. Era depositado na casa do tesouro para os povos pobres e necessitados. Mas, os pastores, mesmo antes de Jesus vir a este mundo eles já estavam roubando os dízimos e transformando-os em dinheiro para gozo dos sentidos. Em Lc. 18.35 relata que Jesus ia para Jericó e encontrou um cego assentado no caminho mendigando e em Jo. 9.8 diz que outro cego também estava mendigando. Em Atos dos Apóstolos cap. 6. 1-4 observamos que as viúvas estavam necessitadas. E em At. 3. 1-9 Na porta do templo havia um coxo pedindo esmola. Agora, onde estavam os dízimos? Porque os dízimos eram para o povo necessitado. Mas, eles não estavam cumprindo com as normas estabelecidas para o uso dos dízimos, por isso que havia tantos necessitados.

                 Em Sl. 37. 25 diz: Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão. O dizimo era para não haver necessitados no meio do povo. Até o estrangeiro era beneficiado com os dízimos quanto mais o natural. Veja onde estavam os dízimos: Em Is 56. 10-12 diz: Todos os seus atalaias são cegos, nada sabem; todos são cães mudos, não podem ladrar: Andam adormecidos, estão deitados, e amam o tosquenejar. E estes cães são gulosos, não se podem fartar; e eles são pastores que nada compreendem: Todos eles se tornam para o seu caminho, cada um para a sua ganância, cada um por sua parte. Vinde, dizem eles, trarei vinho, e beberemos bebida forte; e o dia de amanhã será como este, e ainda maior e mais famoso. Observou com quem estavam os dízimos? Foi por isso que Jesus encontrou muitos mendigando e Deus havia falado pela boca de Jeremias dizendo: É, pois esta casa, que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isto, diz o Senhor. (Jr. 7.11).

                 Os pastores utilizam dos dízimos para enriquecimentos próprios e muitos dentro das igrejas mendigando e o povo é quem recebem o nome de ladrão quando não paga os dízimos, sendo os pastores os próprios ladrões dos dízimos. As ovelhas insensatas e segas não ver o que eles fazem para encher as igrejas, prometendo curas, bênçãos e milagres de mentiras, as quais se tornam em laços para prendê-los dentro das gaiolas como estar escrito em Jr. 5. 26-31 que diz: Porque ímpios se acham entre o meu povo; cada um anda espiando, como se acaçapam os passarinheiros; armam laços perniciosos, com que prendem os homens. Como uma gaiola cheia de pássaros, são suas casas cheias de enganos; por isso, se engrandeceram e enriqueceram. Engordam-se, alisam-se e ultrapassam até os feitos dos malignos; não julgam a causa dos órfãos, para que eles prosperem; nem julgam o direito dos necessitados. Não castigaria eu estas coisas? Diz o Senhor; não se vingaria a minha alma de uma nação como esta? Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra: os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; e o que fareis no fim disso?

                 No fim se cumprirá o que Deus falou para Isaias em 33.12 quando disse: E os povos serão como os incêndios de cal, como espinhos cortados arderão no fogo e em Sofonias 3.8 que diz: Portanto, esperai-me a mim, diz o Senhor, no dia em que eu me levantar para o despojo; porque o meu juízo é ajuntar as nações e congregar os reinos, para sobre eles derramar a minha indignação e todo o ardor da minha; porque toda esta terra será consumida pelo fogo do meu zelo.

                 Este evangelho que estar sendo pregado hoje, o qual teve inicio por Martin Lutero, é falso. Não é o evangelho de Jesus Cristo, porque Cristo não cobrou dízimos. Foram citados várias vezes que os objetivos dos dízimos eram para os necessitados, os órfãos e as viúvas e eram tirados das colheitas dos campos. Os dízimos saiam do campo para a casa do tesouro, e não para as mãos dos pastores como se ver hoje. Os dízimos hoje se tornaram um laço para os pés dos insensatos. Eles dizem se você for fiel nos dízimos receberá milagres, curas divinas, carro, apartamentos, casas, terrenos, etc. Dizem ainda que se você possuir um pequeno negócio ele tornará grande e outros dão testemunhos mentirosos, dizendo que tinha câncer e foi curado, outro diz que fez a campanha dos 318 e hoje é um empresário, chega a dizer que colocou tudo o que tinha na fogueira santa e prosperou.

                 Em Ap. 3.9 diz: Eis que eu farei aos da sinagoga de satanás (aos que se dizem judeus e não são, mas mentem). Isto é o que se ver hoje nas igrejas que pregam a palavra de Deus por interesse material como falou Paulo em 1 Tm. 4.3 que diz: Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências. Os dízimos que são tirados nas igrejas de hoje não é dízimo, é roubo. Porque em Pv. 22.16 diz: O que oprime o pobre para se engrandecer a si ou o que dá ao rico, certamente, empobrecerá.

                O verdadeiro dízimo no passado era conforme Malaquias 3.10-11 que diz: Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança. E, por causa de vós, repreenderei o devorador, para que não vos não consuma o fruto da terra; e a vide no campo não vos será estéril, diz o Senhor dos Exércitos. Observamos que os dízimos eram colocados na casa do tesouro, foi por isso que Davi desse em Sl. 65.4: Bem-aventurado aquele a quem tu escolhes e fazes chegar a ti, para que habite em teus átrios; nós seremos satisfeitos da bondade da tua casa e do teu santo templo.

                 Existia a casa, a qual era chamada “casa do tesouro” para onde iam os dízimos e do santo templo procedia a alimentação espiritual. Foi por isso que Salomão disse em Pv. 19.17: Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, e ele lhe pagará o seu benefício. Em Pv. 21.13 diz: O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre também clamará e não será ouvido. Em Pv. 22.9 diz: O que é de bons olhos será abençoado, porque deu do seu pão ao pobre. Em Pv. 28.27 diz: O que dá ao pobre não terá necessidade, mas o que esconde os olhos terá muitas maldições.

                 Os dízimos eram tirados das colheitas para os levitas, os órfãos, as viúvas e para os estrangeiros. Por este motivo Deus abençoava os povos que davam os dízimos, conforme Pv. 19.17 que diz: Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, e ele lhe pagará o seu benefício. É importante saber que, quem deu ordem para tirá o dízimo foi Jesus que era o Deus de Israel, porque Deus todo poderoso nunca se manifestou no mundo material.

                 Para que possamos entender melhor, em 1 Tm. 6.15-16 diz: a qual há seu tempo, mostrará o bem-aventurado e único poderoso Senhor, Rei dos reis e Senhor dos senhores; aquele que tem, ele só, a imortalidade e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver; ao qual seja honra e poder sempiterno. Amem. Enquanto que a Jesus pertence este mundo, o qual um dia será transformado para que ele possa reinar. Foi por isso que Jesus disse em Mt. 23.37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Em Jr. 5.26 diz: Porque ímpios se acham entre o meu povo; cada um anda espiando, como se acaçapam os passarinheiros; armam laços perniciosos, com que prendem os homens.

                 Um dos laços que eles utilizam para prender os homens são os dízimos, porque eles dizem que pagando os dízimos o povo será abençoados e prósperos, mas, o que observamos é que a prosperidade acontece apenas para os que recebem os dízimos. Foi por isso que no versículo 27 e 28 do capítulo 5 ele diz: Com uma gaiola cheia de pássaros, são as suas casas cheias de engano; por isso, se engrandeceram e enriqueceram. Engordam-se, alisam-se e ultrapassam até os feitos dos malignos; não julgam a causa dos órfãos, para que eles prosperem; nem julgam o direito dos necessitados.

                 O interessante é que os que estão de fora, os quais não são tolos vêem tudo isto, mas, os que estão na gaiola nada vêem. Em Jr. 7.11 diz: É, pois, esta casa que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isso, diz o Senhor. Os pastores de hoje são os mesmos que Deus chamou de ladrão, porque em Ec. 1.9 diz: O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se tornará a fazer; de modo que nada há novo debaixo do sol.

                 Estes pastores de hoje são aqueles que Miquéias falou em 3.11: Os seus chefes dão as sentenças por presentes, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao Senhor, dizendo: Não estar o Senhor no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá. Em Pv. 21.6-7 diz: Trabalhar por ajuntar tesouro com língua falsa é uma vaidade, e aqueles que a isso são impelidos buscam a morte. As rapinas dos ímpios virão a destruí-los, porquanto eles recusam praticar a justiça.  

                 Observamos que muitas igrejas evangélicas estão no mesmo caminho. Ajuntando tesouros com línguas falsas e mentindo ao povo dizendo que Jesus levou as enfermidades de todos. Vivem convidando o povo para serem curados, dizendo para as ovelhas velhas e insensatas que se elas pagarem os dízimos receberão as bênçãos de Deus e se não pagarem Deus não abençoará. Observamos que os Ateus que não pagam dízimos e não crêem em Deus são mais abençoados e felizes.

                 Muitos deles são empresários, comerciantes, engenheiros, banqueiros, fazendeiros e nada deram em troca para serem abençoados. Será que os pastores pagam dízimos? Os fieis é quem estar abençoando os pastores com os seus dízimos e não Deus, porque Deus estar muito distante de tudo isso. Os pastores colocam os fieis para cantar, orar, fazer vigília, pagar dízimos e dar ofertas. Foi por isso que Jesus falou em Mt. 15. 8-9: Este povo honra-me com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim. Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.

                 Você saberia dizer qual foi o homem que Jesus mandou pagar o dízimo dentro do seu evangelho? Em Cl. 2.20-23 diz: Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: não toqueis, não proves, não manuseies? As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens; as quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum, senão para a satisfação de carne.

                 Na maioria das igrejas os pastores instruem seus seguidores a ler apenas o Novo Testamento. Sugiro não obedecer porque em Josué 1.8 diz: Não se aparte da tua boca o livro desta Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito; porque, então, farás prosperar o teu caminho e, então prudentemente te conduzirás. Todos que recusam examinar o Antigo Testamento são os que não aceitam a justiça de Deus. São os defraudadores da palavra de Deus. Em Ez. 18.12 diz: e oprimir ao aflito e necessitado, e praticar roubos, e não tornar o penhor, e levantar os olhos para os ídolos, e cometer abominação. Em Ez. 33.31 diz: e eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois lisonjeiam com a sua boca, mas o seu coração segue a sua avareza.

                 Estes são os Papas dos dízimos. Em Mt. 7.15 Jesus avisou dizendo: Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Só conhecemos estes lobos devoradores quando conhecemos a palavra de Deus. Foi por isso que Jesus disse em Mt. 22.29: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus. Devemos prestar muita atenção ao que Jesus falou em Mt. 10.7-10, quando disse: e, indo, pregai, dizendo: É chegado o Reino dos céus. Mas, que reino dos céus era este que havia chegado?

                  Sabemos que reino é uma província governado por um rei, o qual governa com justiça e santidade. Neste reino será retirado o sistema material, o qual faz parte o instinto animal, para que possa entrar o novo sistema. Foi por isso que Jesus continuou dizendo: Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios. No mundo espiritual não existe mais este mal. Foi por isso que Jesus enviou os discípulos para dar esta notícia maravilhosa do seu governo aqui na terra.    

                 Jesus ainda disse: de graça recebestes, de graça daí. O que foi que os discípulos receberam de graça? Eles receberam a palavra de Deus. Agora vejamos se os pastores desta era estão seguindo a determinação de Jesus Cristo. Eles estão trocando a Palavra de Deus pelos dízimos e pelas ofertas estipuladas de mil a um real. Jesus ainda disse para seus discípulos que eles não possuíssem nem ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos; nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem bordão, porque digno é o operário do seu mantimento.

                 Por este motivo é que eles não cobravam dízimos. E o apostolo Paulo disse em 2Co. 9.7: Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. E em Ex. 25.2 Deus disse: Fala aos filhos de Israel que me tragam uma oferta alçada; de todo homem cujo coração se mover voluntariamente, dele tomareis a minha oferta alçada. Foi por isso que Jesus disse aos apóstolos que eles não podiam possuir ouro, nem prata, nem cobre. Por isto que eles não podiam cobrar dízimos. Eles estavam trabalhando para o novo sistema e o salário que eles iam receber era no novo sistema. Bens materiais deste sistema mundano eles não podiam ter, porque iriam receber em dobro no novo mundo.

                 Como estar escrito em Ap. 7.16-17. Lá é onde estar o salário deles, e de todos que anunciam o verdadeiro evangelho de Cristo, como foi anunciado por Cristo e seus apóstolos sem dinheiro e sem preço. Em Mt. 16.24-25 Jesus disse aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me; porque aquele que quiser salvar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim achá-la-á.

                 Portanto, onde fica a cobrança de dízimos? Porque quem segue a Jesus cobrando dízimo estar perdendo sua vida ou achando-a? Já foi relatado que os dízimos eram tirados dos campos para a casa do tesouro para sustento dos pobres. Mas, hoje os dízimos são tirados para mordomias dos pastores. Eles são tão insensatos que quando alguém não dar o dizimo eles o chama de ladrão, E quando existe alguém necessitado dentro da igreja eles dizem que ele estar sendo provado por Deus. Estes líderes religiosos aproveitam das necessidades do povo, colocando-os para orar, jejuar, foçando o povo a dar os dízimos e ofertas orçadas, prometendo que desta maneira Deus irá tirá-los dos sofrimentos e conceder benção matérias.

                  Os pastores prosperam através das doações das ovelhas, mas Deus não se deixa escarnecer, o que o homem plantar isto ele ceifará. Por isto a recompensa deles será conforme disse Jr. Em 25.34-36. Eles serão grandemente provados e irão vomitar os dízimos que injustamente comeram. Em Ml. 3.10 diz: Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa. Hoje os lideres religiosos não cumpri o que Deus determinou, porque eles não se preocupam com os necessitados, apenas em tirar dinheiro para o crescimento deles próprios, aumentando cada vez mais a quantidade de igrejas só para aumentar o número de fieis, os quais são os pastos deles.

                 Não existe a preocupação de instruir o povo dentro da verdade para que eles consigam herdar as promessas de Deus. A casa do tesouro era o local onde depositavam todos os dízimos das colheitas. Em Lv. 27.30 diz: Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores são do Senhor; santas são ao Senhor. Em Lv. 23.15-16 diz que eram 50 dias de colheitas. Em 2 Cr. 31.6-10 diz: E os filhos de Israel e de Judá que habitavam na cidade de Judá também trouxeram dízimos das vacas e das ovelhas e dízimos das coisas sagradas que foram consagradas ao Senhor, seu Deus; e fizeram muitos montões. No terceiro mês, começaram a fazer os primeiros montões e no sétimo mês acabaram.  (No calendário Hebraico o sétimo mês é outubro, quando eles terminavam de armazenar os mantimentos, os quais eram para saciar a fome dos necessitados do povo de Deus). Vindo, pois, Ezequias e os príncipes e vendo aqueles montões, bendisseram ao Senhor e ao seu povo de Israel. E perguntou Ezequias aos sacerdotes e aos levitas acerca daqueles montões. E Azarias, o sumo sacerdote da casa de Zadoque, lhe falou, dizendo: depois que esta oferta se começou a trazer à casa do Senhor, houve o que comer e de que se fartar e ainda sobejo em abundância, porque o Senhor abençoou ao seu povo, e sobejou esta abastança.

                  Conforme já falamos, estes mantimentos eram para os órfãos, as viúvas, os levitas e até os estrangeiros que peregrinavam no meu do povo de Israel tinham direito a este benefício (Dt. 26.12-14). Quem começou a pagar os dízimos foi Abraão, o qual pagou a Melquisedeque, rei de Salém, conforme Gn. 14.20. Hoje, eu só vejo os Melquisebolso, os quais são os verdadeiros estelionatários da humanidade. Eles querem dízimos todos os dias, os quais merecem cadeias e não dízimos. Os verdadeiros dízimos encontramos em Pv. 19.17 que diz: Ao Senhor empresta o que se compadece dos pobres, e ele lhe pagará o seu benefício. Em Pv. 21.13 diz: O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre também clamará e não será ouvido. Em Pv. 22.9 diz: O que é de bons olhos será abençoado, porque deu do seu pão ao pobre. Em Pv. 28.27 diz: O que dá ao pobre não terá necessidade, mas o que esconde os olhos terá muitas maldições. Este é o verdadeiro dízimo.

                  Der ao pobre e Deus lhe pagará, mas não der aos “melquisebolsos” porque Deus lhe condenará. Nenhum dos apóstolos cobrou dízimos. Em At. 2.41 o apostolo São Pedro de uma só vez ele batizou quase três mil almas. Se ele tivesse cobrado dízimos de todos que batizou durante os dias de sua vida, teria acumulado bastante dinheiro. Provavelmente não teria morrido pelo império romano. Não encontramos na bíblia relatos ou prova que Jesus durante seu ministério tenha cobrado dízimos. Jesus antes de ser morto deixou o apostolo Pedro como chefe da igreja. Depois que Jesus morreu, Pedro voltou a pescar, porque estava necessitado. Se Jesus tivesse cobrado dízimos, Pedro não teria ido pescar. Porque ele como chefe da igreja estaria com todos os dízimos. Mas, isto não aconteceu, porque o próprio Jesus não tinha onde reclinar sua cabeça, conforme relata em Lc. 9.58. em Lc. 14.33 Ele disse: Assim, pois, qualquer de vós que não renunciar a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.

                 Eu não conheço dentro das igrejas evangélicas alguém que tenha renunciado tudo só para servir para o Senhor Jesus. Em 1Co. 9.18 Paulo disse: Logo, que prêmio tenho? Que, evangelizando, proponha de graça o evangelho de Cristo, para não abusar do meu poder no evangelho. Então, qual foi o dízimo que Paulo cobrou dos seus seguidores? Em 2 Co. 9.7 Paulo disse: Cada um contribua segundo propôs no seu coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. Estar provado que Paulo não cobrou dízimos, portanto só quem cobra dízimos são os infratores que estão transfigurados em apóstolos de Cristo.

                 Em 2Co. 11.7-15 Paulo disse: Pequei, porventura, humilhando-me a mim mesmo, para que vós fôsseis exaltados, porque de graça vos anunciei o evangelho de Deus? Outras igrejas despojei eu para vos servir, recebendo delas salários; e, quando estava presente convosco e tinha necessidade, a ninguém fui pesado. Porque os irmãos que vieram da Macedônia supriram a minha necessidade; e em tudo me guardei de vos ser pesado e ainda me guardarei. Como a verdade de Cristo está em mim, esta glória não me será impedida nas regiões da Acaia. Por quê? Porque vos não amo? Deus o sabe. Mas o que eu faço o farei para cortar ocasião aos que buscam ocasião, a fim de que, naquilo em que se gloriam, sejam achados assim como nós.

                 Veja que havia naquela época pastores querendo se aproveitar do povo, buscando ocasião para tal. Foi por isso que Paulo disse que o que estava fazendo era para cortar ocasião dos que buscavam ocasião. Os que buscavam ocasião eram os falsos pregadores da época, os quais visavam grandes lucros com o evangelho de Jesus Cristo. Hoje não é diferente, eles pregam Cristo só para obter lucros. Foi por isso que Paulo disse no versículo 13: Porque pais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo.

                 É fácil conhecer estes obreiros fraudulentos, tendo em vista que os seus ensinamentos consistem em promover curas, milagres, perdão e arrebatamento para o céu, cobram dízimos e ofertas estipuladas.  Não pregam a justiça de Deus, porque suas consciências não permitem. Quando você deparar com estes falsos pregadores fujam do meio deles. Foi por isso que Paulo disse em 2Co. 6.14: Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? Observamos ainda que os falsos obreiros não pregam a palavra de Deus como Paulo pregou.

                 Em At. 28.30-31 Diz: E Paulo ficou dois anos inteiros na sua própria habitação que alugara e recebia todos quantos vinham vê-los, pregando o Reino de Deus e ensinando com toda a liberdade as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento algum. Paulo sabia o que estava escrito nos Salmos 145.10-13, porque os apóstolos verdadeiros pregam o Reino de Deus para as pessoas conheçam as proezas e a gloria da magnificência do seu Reino. Os apóstolos falsos não pregam o reino de Deus, eles convidam o povo para morar nos céus, dizendo que Jesus a qualquer momento virá arrebatá-los para o céu.

                 Em Hb. 7.9-15 diz: E, para assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai, quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro. De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. Porque aquele de quem essas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar, visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca Moisés falou de sacerdócio. E muito mais manifesto é ainda se, à semelhança de Melquisedeque, se levantar outro sacerdote. Todos os sacerdotes só vinham pela tribo de Levi. Da tribo de Judá só se levantou Jesus, o único sacerdote eterno para tirar toda lei cerimonial.

                 Os dízimos eram para aos sacerdotes levíticos. Eles recebiam dos filhos de Israel e oferecia ao Senhor conforme Ex. 23.19. em Dt. 16.9-10, conforme já relatamos, mas isto é para que haja melhor entendimento, diz: Sete semanas contarás; desde que a foice começar na seara, começarás a contar as sete semanas. Depois, celebrarás a Festa das Semanas ao Senhor, teu Deus; o que dares será tributo voluntário da tua mão, segundo o Senhor, teu Deus, te tiver abençoado. Observamos que os dízimos estavam inclusos na Lei cerimonial. Em Hb. 10.5-10 Diz: Pelo que, entrando no mundo, diz: Sacrifício e ofertas não quiseste, mas corpo mim preparaste; holocaustos e oblações pelo pecado não te agradaram. Então, disse: Eis aqui venho (no princípio do livro está escrito de mim), para fazer, ó Deus, a tua vontade. Como acima diz: Sacrifício, e oferta, e holocaustos, e oblações pelo pecado não quiseste, nem te agradaram (os quais se oferecem segundo a lei). Então, disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro, para estabelecer o segundo. Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez.


                 Veja que sacrifício e oferta Ele não aceitou, porque estavam tudo na Lei cerimonial. Agora, se a Lei cerimonial parou em Cristo e o dízimo que fazia parte desta, então não pode continuar tirando os dízimos. Quem anda cobrando dízimo estar desfraldando o povo. Portanto, quem cobra e quem paga o dízimo são insensatos. Em Salmos 24.1 Davi disse: Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aquele que nele habitam. Todos os seres humanos sabem que Deus existe. Temer a Ele e guardar os seus mandamentos é dever de todo homem, conforme Ec. 12.13. Em Jo. 14.21 Jesus disse: Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, este é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele. Lembre-se, que os mandamentos são dez conforme Ex 20. 1 -17. E não nove. Veja em Pv. 28.4 Pv. 28.9 Sl. 119.142 e Ap. 12.17.

Nenhum comentário:

Postar um comentário